Sanepar, acionistas.

Uma coisa interessante e incômoda, ao mesmo tempo, é a composição acionária da Sanepar.

É a seguinte: 20% das ações pertencem ao governo do Paraná. Mais 20% pertencem a investidores estrangeiros (250, no total).

E 60% pertencem a 433 mil investidores nacionais.

901.883.355 ações pertencem a 433 mil micro-investidores, o que dá uma média aritmética (detesto) de 2 mil ações para cada investidor.

Sequer 08 mil reais, hoje.

Todos nós sabemos que o micro-investidor não é, em geral, um analista de valores mobiliários.

Ele não conhece o mercado, ele é informado.

A decisão de permanecer ou não com o “papel” não partirá dele, mas dos sites de finanças.

Ou dica de algum amigo.

Bem, o governo do Paraná não venderá suas ações, não há muito o que vender.  O investidor estrangeiro, tampouco. Ele quer dividendos e Sanepar pagará.

Já os sites de finanças, todos, preconizam que empresa boa é empresa privada.

E que Sanepar será mais eficiente (?) se for vendida. Ela é ineficiente, hoje!

Jura?

Você não leria isso na Noruega, na França, na Alemanha e até nos EUA.

Ou na Colômbia, sua estatal é dona de várias empresas brasileiras.

Sim, muitas estatais estrangeiras estão comprando nossas estatais, as “ineficientes”.

Isso não dará certo, brevemente. A bem da verdade, já não dá. A conta de Transações Correntes é negativa, consome todo nosso saldo comercial e mais um pouco.

Mas não é o nosso foco, no momento.

O que queremos mostrar é o motivo de Sanepar não estar bem na ‘fita”, no momento.

Apesar de todo um CONSENSO (já vimos o filme, não foi bom), Sanepar não será privatizada.

Ela não será privatizada, Guedes. Não há como justificar, lá no Paraná. É, disparada, a empresa mais eficiente do Brasil, no setor.

A garotada, que pouco ou nada entende de mercado, ela crê nos sites de finanças. Amigos!

E o papel sofre.

E os investidores estrangeiros agradecem e adquirem mais. Eles não tem pressa. O foco é nos dividendos. São Fundos, em geral.

E Sanepar é “triple A”.

Interessante, não?